Tem cobras no telhado

Oi, você pode me ver? Você pode me ouvir? Você pode sorrir para mim? Isso.. Sorri! Mostra os dentinhos. Mostra essa bochecha pálida. Você pode dizer se está bem? Pode pelo menos ficar feliz? Fica feliz, porra! Abre essa boca, porcaria. Diz que sim! Por favor, venha até aqui. Você pode vir até aqui? São só dois passinhos. Você pode se ajoelhar na minha frente e pedir desculpas? Vem aqui, e se ajoelha agora! Só um pouquinho, faz isso por mim. Você pode abrir os olhos? Abre os olhos só para me ver. Depois eu deixo você dormir mais um pouquinho. Abre os olho… Abre os olhos cor de cobre. Deixa eu ver os seus olhos pela última vez, antes de você dormir. Deixa eu dormir com você? Deixa eu deitar juntinho? Posso sentir o seu corpo, o seu corpinho? Sentir o seu corpo frio. Sentir o seu corpo gelado. Deixa eu te esquentar? Eu posso te esquentar? Porque você está tão pálido? Nossa como você está branco. Está gelado e pálido. Está tão pálido. Porque você não me diz nada? Porque não diz um oi? Você ainda gosta de mim? Ainda quer tentar alguma coisa? Posso deitar com você? Abre os olhos. Diz oi para mim. Vem aqui.

Nossa como você está gelado.

Preto como o vinho, vermelho como a solidão

Duas pessoas

Uma maca

Uma faca

A mulher, de pé, ostenta a faca com as duas mãos a altura do peito do homem deitado na maca

Me dê uma taça de vinho ou duas, e um copo de solidão

Se me perder será para sempre

Se te matar será para sempre

Eternidade não é para sempre

Para sempre é para sempre

Termine logo com isso

Já pedi um copo de vinho

 Você não toma vinho

Mas é disso que eu preciso agora

Não queira voltar no tempo e termine logo com isso

Por que você fez isso comigo?

Só quero que sinta o que eu sinto

Então porque não terminou logo?

Às vezes tenho dó de você

Você precisa ter dó é de você

Não sei do que você está falando

Dó?

Não, paixão!

Paixão é um tipo de dó, doação

Então porque você não sente isso?

Porque é como ter uma faca enfiada no peito