As personalidades da cultura de Foz do Iguaçu em versão 2.0


Muitos moradores de Foz do Iguaçu reclamam que a cidade não tem uma identidade própria, outros exclamam positivamente que é essa falta de história que caracteriza o povo iguaçuense.

Na verdade o que eu acho mesmo é que nenhum desses dois lados estão corretos. O primeiro não valoriza o que a cidade já conquistou sentimentalmente, pois fisicamente em questão de museu ou teatro realmente poucos exemplos se salvam. O segundo lado que exalta a falta de história local não consegue enxergar, ou não vê a possibilidade da região ser rica culturalmente e se acomoda.

A acomodação e a exclamação de que a cidade não produz cultura me irritam profundamente. Convivo e vejo todos os dias pessoas lutando pela valorização da arte, pessoas que só vivem produzindo cultura e as outras deitadas no próprio umbigo nada enxergam, pois estão presas no negativismo.

Então para mostrar que Foz do Iguaçu tem pessoas de peso atuando, produzindo e estão no caminho certo, caminhando contra e falta de estrutura e precariedade dos serviços públicos resolvi levar para o meu trabalho uma proposta. Uma série de matérias focadas nas pessoas, em iguaçuenses e outras que encontram em Foz do Iguaçu um lugar para viver e se manifestar a favor da arte.

Em guaraní, Nanbiquara é a fala da pessoa inteligente

Na redação do Clickfoz discutimos a importância da série, realizamos um sarau amplificado. A Mariana Serafini prontamente foi buscar os contatos. Em uma folha começamos a rascunhar e lembrar das pessoas que seriam entrevistadas, dividimos em tópicos e atuação das personalidades. O Vilmar Machado fez a arte e sugeriu que nós batizássemos a série. Pensamos em localizar com as raízes de nossa cultura. Nada melhor que um nome em guaraní. Achamos então “Nanbiquara”- assim mesmo com N, ideal. Nanbiquara quer dizer fala de pessoa inteligente. Definiu o nosso trabalho. Eu comecei a pensar na estética das entrevistas e na pós produção das matérias.

Ok? Primeira entrevista marcada, a Mariana Serafini sugeriu a escritora Jeane Hannauer. O novo livro de Jeane seria o chamariz para a entrevista, mas o foco seria a produção dela a nível estadual e nacional. Muito simpática e falante, Jeane nos recebeu com os braços abertos. A entrevista foi super gostosa e a música simples de Angus and Julia Stone deve ter embalado os pensamentos da Mariana.

A segunda entrevista foi muito reveladora para mim. O Beto Virgínio me fez voltar no tempo e conhecer curiosidades dos bastidores da produção artística de Foz do Iguaçu.

Outras matérias já foram postadas na série, todas revelam curiosidades, exprimem sentimentos e são um rico conteúdo para a nossa falha memória de consumistas incautos da arte.

Nas lentes da câmera do Clickfoz, as artes de Foz do Iguaçu sendo retratadas

1 comentário Adicione o seu

  1. Garon, a matéria ficou linda! Expressou exatamente a nossa proposta. Documentar a arte. Não podemos simplesmente deixar que as coisas aconteçam, precisamos registrar isto! ;)

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s