5 motivos para você ler “Poder e Manipulação” de Jacob Petry

Até pouco tempo eu era muito inocente nessa coisa chamada “negociação”, que é quando você conversa com qualquer pessoa e impõe o seu ponto de vista de forma clara.

Há alguns anos fiz o Dale Carnegie (Do famoso Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas), o que me ajudou a me entender como ser humano, e principalmente entender o próximo e valorizar muito as pessoas com quem mais convivo. Entretudo, nada do que li até agora mexeu tanto comigo quanto o livro de Jacob Petry, “Poder & Manipulação”.

Nesse livro o autor destrincha a obra d “O Principe” de Maquiavel, e nos dá um panorama de como e onde podemos aplicar os seus ensinamentos, com muita didática e um linguajar bem afiado, mas tudo bem atual e adaptado ao nosso momento histórico.

Você pode usar o que aprendeu no livro para controlar os seus desejos frente as outras pessoas, ou usar para se defender dos manipuladores e de posse de ferramentas concretas para agir com mais segurança, ousadia e astúcia perante a vida.

Continuar lendo “5 motivos para você ler “Poder e Manipulação” de Jacob Petry”

D’Oddone – um cafezinho charmoso na Felipe Wandscheer

Esses dias saímos (Eu, Bruno, Rafa e Carol) para um rolê pra conhecer o D’oddone Caffè & Gelato, um novo espaço que abriu na Felipe Wandrescheer, na Vila Yolanda.

doddone-caffe-e-gelatto-2doddone-caffe-e-gelatto-1

O café é bem gostosinho, bem decoradinho, porém pequeno, mas acredito que é esse o conceito que os proprietários quiseram passar, algo mais acolhedor.

doddone-caffe-e-gelatto-7doddone-caffe-e-gelatto-6

No cardápio, nada muito novo, os cafés tradicionais de sempre e comidinhas básicas de cafeteria, além de uns cupcakes super bem decorados. Porém, dando uma olhadinha no site deles, vi que eles oferecem um suflê de milho especial e um bolo de café, porém isso não estava no cardápio com destaque e também não foi nos oferecido pela garçonete.

doddone-caffe-e-gelatto-12 doddone-caffe-e-gelatto-13

O gelato não experimentamos, fica para a próxima oportunidade.

doddone-caffe-e-gelatto-8 doddone-caffe-e-gelatto-15

Vale muito a pena conhecer e prestigiar esse novo empreendimento gastronômico de Foz do Iguaçu. Espero que o cardápio se especialize e quero muito voltar para tomar os gelatos (algo que realmente falta na cidade).

Nota: ★★★★

Serviço
D’oddone Caffè & Gelato
Av. Felipe Wandscheer 2456
(45) 3017-7787
http://www.doddone.com/

Eu vou levar a Tocha Olímpica #Issoéouro

No dia 25 de janeiro de 2016 eu fui convidado pela Coca-Cola, em um processo intermediado pelos lindos da NQM Comunicação, para participar do revezamento da Tocha Olímpica em Foz do Iguaçu, ou seja, eles me convidaram para conduzir a Tocha aqui na minha cidade. Eu, logicamente, quase surtei quando recebi o telefonema.

Participar do maior evento do mundo é uma super honra, imagina que fantástico! Ainda mais representando a cidade que eu amo tanto e a escolhi para morar, minha linda Foz do Iguaçu. Meus amigos surtaram juntos. Para te contar bem a verdade, ainda estou em estado de choque.

Eu queria contar aqui no blog só quando efetivassem realmente o convite, ou seja quando eu assinasse os documentos de responsabilidade, pois na verdade eu ainda não estava acreditando muito bem – devido ao choque –  pois eu nunca imaginaria isso nem na melhor das hipótese.

Só fui acreditar MESMO MESMO no dia 06 de abril, quando a Coca-cola mandou o seguinte Whats (Sim, eles enviaram o vídeo pelo WHATSAPP):

Eu? Pq eu? Tem tantas pessoas boas e de referência na cidade… É tão legal saber que o meu trabalho é reconhecido pelos profissionais responsáveis  pelo tour da tocha no Brasil.  Fiquei cheio de felicidade.

Falando do tour da Tocha, ela está sendo dirigida além do Comitê Olímpico Rio 2016 por 3 empresas parceiras, A Coca-Cola, Bradesco e Nissan.

Chega aqui em Foz do Iguaçu no dia 30 de junho. O percurso de cada condutor é de aproximadamente 200 metros e para completar esse percurso, a Coca-cola me enviou um lindo kit com um tênis maravilhoso:

13323512_10209528619713852_8459724726033626358_o

Eu já havia começado os treinos, para não passar feio no dia do revezamento, mas tive um pequeno problema no joelho e estou há 2 meses sem correr, porém este final de semana já posso voltar a fazer umas corridinhas.

Agora, espero todos os meus amigos para comemorarmos juntos essa grande festa da união e do esporte mundial, no dia 30 de junho aqui em Foz do Iguaçu :D

Quando a arquitetura encontra o desenvolvimento social

Eu sou um jornalista que trabalha com marketing e de vez em quando curto pesquisar sobre arquitetura e urbanismo. Na verdade sobre urbanismo, porém, ultimamente tenho estudado um pouco mais sobre como a arquitetura pode mudar a nossa percepção de mundo.

Neste post, apresento alguns arquitetos que estão fazendo mais do que o simples papel de arquiteto, estão pensando no lado “social da arquitetura”. Ou seja, usando esta ciência para facilitar a vida da sociedade como um todo.

1 – ALEJANDRO ARAVENA

Este arquiteto chileno foi agraciado com o maior prêmio da arquitetura mundial, o renomado Pritzker Prize – considerado o Nobel da Arquitetura. Aravena comanda o escritório ELEMENTAL, que disponibilizou para acesso publico (open source) alguns projetos de habitações populares.

A ELEMENTAL se interessa muito pela moradia incremental: um modo de trabalho que está ligado às limitações de orçamento. O projeto em questão entrega metade da casa para o morador, o incentivando a fazer a outra parte, expandindo os seus lares

Vou deixar aqui um vídeo sensacional do Aravena falando um pouco mais sobre este projeto

2 – TERRA E TUMA

Um escritório de arquitetura brasileiro para ficar de olho. Os paulistas do Terra e Tuma ganharam este ano o prêmio internacional de melhor construção com  o projeto de casa simples, na Vila Matilde em São Paulo. Com o orçamento de R$ 150 mil este escritório usou estruturas a mostra e uma pegada moderna como vidro e concreto, além de um visual super minimalista. Continuar lendo “Quando a arquitetura encontra o desenvolvimento social”

A geração dependente da vocação

No mês passado, na minha coluna na Revista Diva, eu comentei um pouco sobre os millenials, a geração que está nos seus 25-33 anos. Falei como a economia criativa tem cativado esse público e o que os empresários podem fazer para atraí-los.

Contudo, outra coisa também venho observado nos millenials: o amor, a dedicação e o comprometimento com a sua própria vocação.

A geração X (nascidos entre 1965 e 1977) e os baby boomers (nascidos entre 1946 e 1977) ainda herdavam os trabalhos dos pais, eram guiados por padrões, não muito por instinto. O contrário acontece com os nascidos a partir do final dos anos 80. Esta geração herdou muitas características dos hipies dos anos 70. Um pouco de liberdade e um pouco de libertinagem. E isto pode ser positivo, veja…

Não é difícil encontrar pessoas que abandonaram a faculdade, não seguiram a recomendação dos pais/parentes e apostaram na vocação. E ao contrário do que espera o senso comum, estão sendo bem sucedidas. Continuar lendo “A geração dependente da vocação”

5 dicas para montar um food truck arrematador!

Na minha coluna deste mês na Revista Sobre Rodas falo sobre um tema super atual em Foz do Iguaçu: Food Trucks.

Eles estão em todos os lugares. No Gramadão da Vila A, na Feirinha da JK, perto da UDC, na República Argentina… E tem alguns ainda que são itinerantes, estão cada dia em um ponto de Foz do Iguaçu.

Eles são criativas, gostosos, econômicos e levam opções gastronômicas para todo mundo. Além do mais, uma alternativa bacana para empreender, já pensou nisso?

Eu andei observando esse movimento e elaborei algumas dicas para quem está decidindo investir nesta área.

1 – Invista no produto. Não precisa ter um cardápio grande, a maioria dos food trucks mais famosos (das capitais) apresentam no máximo 4 produtos. Continuar lendo “5 dicas para montar um food truck arrematador!”

Como a economia criativa pode ajudar no ramo da gastronomia

Em alguns países da europa a Economia Criativa é tão importante para o Produto Interno Bruto (PIB) que é considerado ministério.

A gastronomia cresceu muito nos últimos anos e continuará crescendo no Brasil. O principal fator de desenvolvimento socioeconômico, na minha visão, é a geração Y (ou os millennials) chegando na casa dos 30 anos. São jovens que gostam de coisas novas, diferentes e atuais. É a geração que impulsiona a economia criativa.

E ser criativo ao empreender é justamente isso: dar valor ao trabalho – ou proposta – e depender do talento das pessoas que o fazem, e não do tamanho da empresa e da quantidade de capital que ela possui.

Um grande exemplo de empreendedor criativo com um mix de gastronomia em Foz do Iguaçu é o Zeppelin Old Bar. Alguém consegue acreditar que ele ficou no papel por 5 anos esperando investimento? Pois é, um dos principais bares da noite iguaçuense ficou um bom tempo na gaveta de molho. Bom… o bar saiu do papel e o que será que mantém ele de pé já consolidado no mercado?

As novidades, a criatividade e a fidelização ao nicho! São estas características que mantém o bar sempre na ativa e sempre a frente de todos os outros.

Sobre o nicho: é um ponto chave da economia criativa. Vemos um investimento alto e grandes novidades em Foz do Iguaçu. Temos o Europa Bar, o Bad Ass Café e o Amarantha Pub. Consumidores/públicos que estão se destacando na cidade.

Temos visto na região espaços nos quais as conexões, inovações e cultura revelam e valorizam as singularidades locais, em dimensões tão complementares quanto a economia, a cultural, a social, a urbanística e a turística.

Devemos continuar valorizando e apoiando estes espaços, pois este é o futuro onde cada vez mais a geração Y ocupa um maior valor na economia.

Foz do Iguaçu está melhorando a oferta e devemos reconhecer isso

Esses dias ouvi de um proprietário de um espaço gastronômico: “o mercado de Foz do Iguaçu está ficando inflado…”. Eu fiquei muito espantado com tamanha falta de noção e conhecimento desta rapaz. Foz do Iguaçu tem aumentado muito a diversificação de restaurantes, bares e cafés. Porém, quanto mais melhor.

Melhor para os consumidores e melhor para os empresários. Sim, melhor para todo mundo!

Na semana passada eu fui em duas inaugurações de restaurantes. Em um eu fiquei surpreso por encontrar uma proprietária de um café com semelhante público alvo do que estava inaugurando. Conversamos sobre como uma oferta maior aumenta a procura por uma demanda qualificada.

É a famosa Lei da Oferta e Procura.

Continuar lendo “Foz do Iguaçu está melhorando a oferta e devemos reconhecer isso”

Chef’s Table, da Netflix, não é só para dar água na boca, é para emocionar!

Não sei muito bem como começar este post, pq na última semana eu só tenho falado disso para os meus amigos: Chef’s Table é muito bom, assista!

A minha paixão com esta série é muito grande e vocês não tem noção!!! Tô neste momento no telhado da minha casa gritando para os vizinhos assistirem e até mandei WhatsApp para aqueles que eu mais gosto recomendando.

Cheguei nela meio que do nada. Estava navegando tradicionalmente na Netflix e  cliquei ali meio que naquela roleta do aleatório, como de costume a gente faz…

Para começar, Chef’s Table é uma série documental de 6 capítulos com distribuição exclusiva pela Netflix que conta a história de 6 chefes que estão mudando a forma como a gente se relaciona com os restaurantes. Coincidentemente todos eles ganharam 3 estrelas no famoso Guia Michelin.

Por mais que Chef’s Table seja um documentário sobre gastronomia – um assunto que me interessa – o que eu mais gostei foi acompanhar a plasticidade, fotografia e delicadeza do material audiovisual. A série é dirigida por David Gelb do premiado Jiro Dreams of Sushi. (Documentário que conta a história do Sr. Jiro, proprietário do primeiro restaurante de sushi a receber 3 estrelas no Guia Michelin).

O roteiro é bem desconstruído, ou seja, foge da máxima começo/meio/fim do cinema norte-americano. Os personagens contam a história deles como se tivessem conversando com você em uma mesa de restaurante. Fluí tudo muito gostoso e dá vontade de assistir mais e mais.

Em relação a fotografia, o diretor explora muito o primeiro plano e imagens milimetricamente pensadas fugindo da estética indie dos programas culinários.

Tá mais e a grande novidade?
Nos últimos anos a gastronomia e culinária invadiram a TV e o mundo pop de uma forma nunca jamais antes vista, não é mesmo? Mas mesmo assim, Chef’s Table consegue destaque por mostrar o lado humano dos chefs.  A série retrata algo comum entre os 6 personagens: o fundo do poço e como eles partiram do zero em busca de seus sonhos.

Um chefe me chamou a atenção em especial:

Niki Nakayama
Esta é Niki Nakayama e comanda o N/Naka Restaurant em Los Angeles

 

Niki conviveu com o rigor dos pais orientais e pressão familiar para “dar certo“. Trabalhou  em vários restaurantes e pensou em abandonar tudo, mas em sua “última tentativa”, antes de abandonar tudo, resolveu abrir um restaurante trabalhando com o que gostava, a cozinha autoral, lógico. Ainda no ramo da cozinha precisa conviver com o fato de ser mulher. Algo complicado neste universo. Além de ser oriental viver em uma família super rígida e ser mulher, Niki é homossexual. Complicado não é? Não para ela que hoje comanda o restaurante mais bem avaliado de Los Angeles em uma esquina super discreta.

Outra história que eu gostei muito pela lição de vida e frases de impacto que nos fazem refletir sobre a vida foi de Massimo Bottura, o chef e dono da Osteria Francescana, um dos restaurantes mais conhecidos da Itália atualmente. Bottura é simples e ao mesmo tempo sofisticado.  Ama o que faz e dá valor para a família e as pequenas coisas.

massimo bottura
Massimo criou uma sofisticada cozinha italiana em uma cidade do interior da Itália indo contra a tradição local

Particularmente espero muito que a série seja um sucesso e tenha ao menos uma segunda temporada. É meio difícil termos algum chef brasileiro entre os personagens, pois não temos restaurantes com 3 estrelas no Guia Michelin.

Netflix, parabéns pela excelente produção :D

4 filmes que mudarão a sua visão de mundo

Assistir filmes é um dos meus passatempos favoritos. Eu sou aquele tipo de pessoa que assiste tudo o que está concorrendo aos Oscars e de alguns festivais que alternativos que acompanho.

Mas isso não tem sido rotina nos últimos anos, infelizmente. Porém, quando sobra um tempinho eu me coloco no modo Netflix ou Popcorn-Time para mergulhar no mundo do audiovisual :D Mesmo que o Bruno não goste. 

Aqui listo alguns filmes que assisti em março e abril e que estão me ajudando a ter uma outra visão de mundo.

1 – MEDIANERAS

Medianeras é uma palavra em espanhol e na arquitetura são as laterais dos prédios. Mas nesse filme cheio de poesia e introspecção você vai aprender a enxergar estes espaços de uma forma totalmente diferente. O filme dirigido pelo argentino Gustavo Taretto, uma espécie de Jean-Pierre Jeunet, te abrirá os olhos para o mundo que está à cotê (do seu lado).

Além de tudo, Medianeras ainda tem uma presença estética super forte e recheada com frases da cultura pop
Além de tudo, Medianeras ainda tem uma presença estética super forte e recheada com frases da cultura pop

2 – LIVRE

Livre, ou Wild em inglês, conta a história de Cheryl Strayed (Reese Whitherpoon), uma mulher que larfa tudo e resolve fazer uma trilha de 4.200 km pela costa oeste dos Estados Unidos ligando a fronteira do México aos Estados Unidos. E detalhe: sem conhecimento nenhum em caminhadas. Durante o trama Reese tenta descobrir o sentido da vida após passar por uma série de acontecimentos traumáticos.

Reese é muito foda neste papel! Finalmente ela conseguiu voltar aos papéis brilhantes!
Reese é muito foda neste papel… Finalmente ela conseguiu voltar aos papéis brilhantes!

3 – AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL

Confesso que eu tinha um pouco de preconceito com este filme. Mas um amigo me fez assistir o filme. Obrigado, Pedro. As vantagens de ser invisível é um filme perfeito. O filme é baseado no livro homônimo escrito em 1999 pelo diretor do filme. Talvez por isso o filme é tão perfeito. A fotografia e a direção de arte são realmente detalhistas e perfeitas. A história fará com que você veja os amigos de uma forma totalmente diferente e dê valor aos detalhes.

As vantagens de ser invisível está recheado de clássicos do rock o que significa que tem uma trilha sonora incrível!
As vantagens de ser invisível está recheado de clássicos do rock o que significa que tem uma trilha sonora incrível!

4 – WIPLASH

Não tenho palavras para descrever a atuação de Miles Teller e J.K. Simmons. Igualmente perfomáticos e sensacionais, os protagonistas desse filme de encher os olhos e coração nos fazem pensar em nossos objetivos pessoas e profissionais.

Não tenho o que falar sobre esse filme. Apenas sentimentos :3
Apenas sentimentos, os mais lindos possíveis, sobre este filme :3

Eu iria colocar neste lista Amélie Poulain, mas achei meio clichê falar que Amélie Poulain nos ter outra visão do mundo. Este filme é quase que obrigatório, não é mesmo? :D